quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Ela nunca desistiu

Deitada sobre a arvore, ela pensou qual seria a melhor maneira de ganhar a vida. Pensou, pensou, pensou... nada vinha a sua mente. Já havia perdido seus pais, seu marido, seus amigos; o que mais teria para ser tomado?
Seus olhos molhados foram secos com uma parte da jaqueta e este ficou um tanto borrado. Levantou-se e foi caminhar. Pelo seu caminho ela achou uma flor, e foi pensando naquela flor que ela montou uma floricultura; porém, numa tempestade, toda sua floricultura foi ao chão. Não desistiu; com aquela floricultura em ruínas, pegou suas economias e decidiu trabalhar em uma empresa de construção.
Trabalhando lá, ela conseguiu um bom dinheiro e assim decidiu montar seu próprio negocio. Depois dois anos, foi roubada e jogada novamente na sarjeta. Não desistiu. Lembrou-se de sua amada família, onde toda ela se encontrava no céu e pediu uma graça para eles, pediu para ser feliz.
Foi trabalhar num hospital, como faxineira; conheceu um médico; homem muito bom, com um coração enorme. Casaram-se, tiveram dois filhos. O marido não durou muito, pois faleceu com um dos filhos num acidente. Desesperada, sem dinheiro e com um filho pra criar, ela decidiu tomar uma medida drástica; e, por sinal, essa medida a faz hoje muito rica; decidiu trabalhar com uma empresa funerária, e é uma das mais requisitadas do mercado. Hoje, ela vive muito feliz com a vida de seu filho e a morte dos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário